Guarulhos: um polo de serviços e tecnologia

por The Winners
0 comentário

A segunda maior cidade do Estado de São Paulo recebeu no mês de junho deste ano o Fórum Paulista de Desenvolvimento (FOPA 2019), com debates que focalizam o avanço humano e econômico do município Com cerca de 1,4 milhão de habitantes, a cidade de Guarulhos constitui atualmente um polo de serviços e tecnologia uma posição de destaque entre as cidades paulistas.

Além de abrigar o maior aeroporto da América do Sul, é o segundo maior município do Estado de São Paulo.

O prefeito Gustavo Henric Costa (Guti) concedeu à The Winners uma entrevista onde relatou desde as primeiras providências tomadas para identificar as carências do município no início de sua gestão, passando pelas realizações ocorridas ao longo de seu mandato, questões referentes à educação, projetos sociais, a lida com o lixo, sustentabilidade, tecnologia e sobre a importância de sediar o Fórum Paulista de Desenvolvimento (FOPA 2019).

Felix Ventura – O município de Guarulhos foi escolhido para sediar o Fórum Paulista de Desenvolvimento em junho de 2019. Comente as razões para esta escolha.

Gustavo Henric Costa – Guarulhos é a segunda maior cidade do Estado de São Paulo, com aproximadamente 1,4 milhão de habitantes. O município passa por uma ampla transformação em seu perfil econômico, deixando de ser uma cidade com predomínio da indústria para se tornar um polo de serviços e de tecnologia.

Guarulhos já é um polo de desenvolvimento devido à sua posição estratégica no Estado, cortado por importantes rodovias federais como a Presidente Dutra, Fernão Dias e Ayrton Senna. Ela também abriga o maior aeroporto da América do Sul, o Internacional de São Paulo. É, portanto, uma grande cidade capaz de abrigar tanto este importante fórum como outros eventos sobre o tema.

FV – No início de sua gestão, quais foram as primeiras providências para identificar os pontos que careciam de atenção no município?

GHC – Guarulhos vinha de uma situação bastante complexa, depois de vários anos de gestões que não priorizaram o desenvolvimento humano e econômico. O município tinha uma dívida que somava quase duas vezes seu orçamento anual, em torno de R$ 8 bilhões.

Desta forma, era necessário colocar a casa em ordem, com o corte de despesas, passando pela diminuição do número de secretarias, de cargos em comissão, de aluguéis, entre outras medidas emergenciais.

A partir de então, foi traçado um planejamento para atender as áreas mais problemáticas no atendimento à população, como o atendimento médico na rede de saúde pública, abastecimento de água e tratamento de esgoto.

FV – Sobre o decurso de seu mandato, aponte as principais realizações implementadas na cidade de Guarulhos.

GHC – Guarulhos tinha, no início de nosso mandato, mais de 80% da população que sofria com o rodízio de água, ficando muitas regiões até dois dias sem água nas torneiras. O Saae, autarquia municipal, acumulava uma dívida junto à Sabesp que superava os R$ 3 bilhões, devido a contas não pagas nos últimos 20 anos, já que o município comprava cerca de 85% de sua água da estatal. Ou seja, não havia a capacidade para melhorar o abastecimento com novos investimentos.

No final de 2018, um acordo foi fechado com o governo do Estado transferindo para a Sabesp a gestão do abastecimento de água. Além da eliminação da dívida, a Sabesp passou a realizar investimentos imediatos na rede local, garantindo que até o final de 2019 nenhum morador da cidade sofra mais com o rodízio.

Neste momento, quase um milhão de guarulhenses têm o acesso à água todos os dias. Além dessa questão, houve importantes avanços também na saúde, com melhoras substanciais no atendimento médico nos hospitais municipais, crescimento no número de atendimentos na rede básica, diminuição de 50% para 15% no desabastecimento de remédios distribuídos à população, entre outros.

Entregamos ainda duas Unidades de Pronto Atendimento (UPA), que estavam prontas, mas ficaram fechadas por anos. No sistema viário, entregamos 95% das obras do Trevo de Bonsucesso, um complexo viário que estava com a construção parada e foi retomada pela atual administração.

FV – Para as questões educacionais, como a prefeitura atua na melhoria das condições da rede pública de ensino?

GHC – A educação é um dos aspectos centrais de nossa gestão, cujo foco é a elevação da qualidade de ensino e aprendizagem de crianças, jovens e adultos por meio de ações educativas que contribuam para uma formação cidadã e desenvolvimento integral do indivíduo.

Posso elencar algumas ações de impacto na área: ampliação do número de vagas em creches, para crianças de zero a três anos e onze meses de idade e a busca da extinção da lista de espera em creches; implementação da jornada integral, atendendo cerca de 5 mil alunos, com a meta de ampliar o tempo e o espaço educativo e promover a extensão do ambiente escolar mediante a realização de atividades.

A implantação do programa Educa Mais, que amplia o período de permanência escolar dos alunos dos quartos e quintos anos da rede municipal de 4 para 7 horas diárias; Escola 360, plataforma de gestão compartilhada dos equipamentos públicos da cidade, que cede espaços em escolas e nos Centros Educacionais Unificados (CEUs) nos finais de semana para atendimento da comunidade local durante todo o ano, com atividades educativas, culturais e esportivas; formação permanente de professores, inclusive com parceria com a Fundação Lemann.

Em termos de infraestrutura, retomamos a construção de dois CEUs (Bonsucesso e Itapegica) e a construção de oito novas creches, além de inaugurar uma unidade escolar em abril deste ano e outras 5 unidades serão entregues até o final de 2019.

Atualmente, a rede municipal conta com 143 unidades escolares, que ofertam Educação Infantil, Ensino Fundamental e Educação de Jovens e Adultos, totalizando mais de 117 mil alunos, além de contar com 6 mil educadores.

FV – Quais foram os projetos sociais mais significativos realizados pela prefeitura?

GHC – Na área social, começamos pela própria Secretaria de Desenvolvimento de Assistência Social, que passou por um reordenamento de todos os serviços, no escopo do Sistema Único da Assistência Social (SUAS).

Com isso, aumentou o número de serviços oferecidos à população como Residência Inclusiva, voltado às pessoas portadoras de deficiência e em situação de dependência; implantados três serviços de acolhimento institucional masculino adulto em vários pontos da cidade; Programa Família Acolhedora, de acolhimento familiar para crianças de zero a dois anos que foram afastadas de suas famílias de origem por decisão judicial.

Novas instalações do Centro Especializado de Atendimento à População de Rua – Centro POP no Gopoúva; entrega do Serviço Especializado de Atendimento à População de Rua (SEAPOP) no Jardim Santa Francisca e “Bom Samaritano”, na Ponte Grande; entrega de Instituição de Longa Permanência para Idosos (ILPI) “Nosso Lar”, na Vila Carmela; 700 refeições servidas por dia nas duas unidades dos Restaurantes Populares Solidariedade (Centro e Taboão), que também oferecem gratuitamente 100 cafés da manhã cada uma; oferta de oficinas de artesanato e de horta para pessoas em situação de rua, visando a autonomia e a reinserção no mercado de trabalho, além de uma alternativa de geração de renda; Mutirões do CadÚnico/ Bolsa Família contribuíram para o crescimento de famílias beneficiárias do Bolsa Família, entre outras ações.

FV – Como o município lida com as questões de sustentabilidade e tratamento do lixo?

GHC – Guarulhos tem uma política de Resíduos Sólidos, com regras para o manejo dos resíduos sólidos gerados, transformados ou destinados no município, com a inclusão social de catadores por meio da geração de trabalho e renda.

A coleta de lixo convencional ocorre em toda a cidade; já para resíduos da Construção Civil, a prefeitura disponibiliza à população 19 Pontos de Entrega Voluntária (PEV) em vários pontos da cidade, nos quais podem ser depositados entulho, móveis, eletroeletrônicos, poda de árvores, utensílios em geral sem serventia e material de coleta seletiva. O 20º PEV está em construção no Jardim Presidente Dutra.

Guarulhos ainda possui o programa de Coleta Seletiva Solidária que busca promover a inclusão social de catadores de materiais recicláveis, propiciando a geração de trabalho e renda, inserção dos resíduos secos recicláveis no mercado da reciclagem e proteção à saúde pública e ao meio ambiente.

Hoje, a coleta seletiva Porta a Porta contempla 11% dos domicílios do território municipal urbano, representando 19% da população; a região da Vila Galvão receberá em junho a Central Municipal de Triagem de Materiais Recicláveis, e todos os resíduos recicláveis coletados são destinados às Cooperativas de Reciclagens operadas por catadores.

A educação ambiental e mobilização social também complementam nosso trabalho, com o programa Lixo Zero que promove palestras, oficinas e outras atividades em escolas, empresas, condomínios e demais associações.

FV – Um dos assuntos de maior impacto na qualidade de vida dos cidadãos está ligado aos conceitos de mobilidade urbana. Quais projetos já foram ou estão sendo desenvolvidos neste sentido?

GHC – Iniciamos nossa gestão concluindo uma série de obras abandonadas e que têm grande impacto para os cidadãos. O Trevo de Bonsucesso – que liga duas importantes regiões da cidade à via Dutra – é um exemplo, com obras que estavam paradas por anos e foram retomadas: em dois anos, conseguimos avançar 95% das obras.

Agimos também em terminais de ônibus, alguns em conjunto com a EMTU, como os da Vila Galvão, Cecap e Taboão; implantamos corredores e faixas de ônibus em importantes vias da cidade; e renovamos parte da frota de coletivos.

Entre outras ações, estão a implantação de duas ciclofaixas (Cecap e Vila Galvão) e a conclusão do Plano de Mobilidade Urbana que contempla estudos para projetos que poderão ser realizados nos próximos 10 anos.

Sobre o futuro, em dezembro de 2018 a prefeitura assinou um protocolo de cooperação com a Agência Francesa de Desenvolvimento – AFD para estudo de oportunidade para a implementação de um sistema de Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) na cidade.

Em fevereiro, após semanas de estudo em conjunto com nossos técnicos, foi apresentada uma primeira perspectiva do estudo, que está em fase de conclusão da versão final, que deverá subsidiar novas evoluções nessa matéria. Estamos avançando e continuamos em busca de novas parcerias que devem melhorar as opções e a qualidade do transporte e da mobilidade urbana de nosso município.

FV – O emprego dos recursos tecnológicos é essencial para a gestão de grandes cidades. O que está no radar da prefeitura no que se refere à implantação e planejamento do manejo das aplicações tecnológicas?

GHC – O mundo está em constante evolução e Guarulhos tem de estar alinhado com as mudanças tecnológicas e suas aplicações no cotidiano e na economia da cidade. Nesse aspecto, conquistamos avanços inéditos.

Em novembro de 2017, lançamos o Centro de Inovação Tecnológica Innovation Guarulhos para incentivar a pesquisa e tecnologia. Ele está credenciado junto ao Sistema Paulista de Ambientes de Inovação e representa um importante passo para a criação do Parque Tecnológico de Guarulhos.

Em 2018, formalizamos o pedido de credenciamento provisório do nosso Parque Tecnológico junto ao governo do Estado, obtendo em setembro o credenciamento no Sistema Paulista de Parques Tecnológicos, o que possibilita o acesso ao apoio institucional e financeiro do governo estadual.

O projeto propõe como linhas de atuação Logística e Mobilidade, Biotecnologia e Indústria 4.0. Neste campo também nos aproximamos da academia e valorizamos as iniciativas dos estudantes e de startups do município com o evento Experimenta.

Cada edição tem um tema de interesse público e, por meio de maratonas de programação e concursos de startups, oferecemos um espaço para que ideias inovadoras apareçam e sejam desenvolvidas. Dessa forma estamos criando uma cadeia de inovação e mudando Guarulhos.

Começamos a incentivar a inovação na escola, oferecemos espaço para os empreendedores e trabalhamos para valorizar as grandes empresas e pesquisadores com o avanço do Parque Tecnológico. Recentemente, a Câmara Municipal aprovou a Lei de Inovação, que cria o Sistema de Inovação de Guarulhos- SIG e o Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação – CMCTI, além de estabelecer as ações municipais de fomento à cultura de inovação e ao empreendedorismo inovador.

Teremos o Fundo Municipal de Inovação e a institucionalização dos hackathons e concursos de startups, ações que já vinham sendo realizadas no âmbito do evento “Experimenta”, e o Programa Municipal de Promoção de Investimentos em Inovação – PMPII, que cria um sistema de incentivo que permite que Startups situadas na cidade possam captar
investimentos de empresas contribuintes de IPTU na cidade.

O contribuinte participante do programa, chamado de “investidor incentivado”, terá certificado emitido em seu nome indicando a quantia investida no programa, que poderá ser utilizado para abater até 40% do IPTU de seus imóveis situados em Guarulhos.

FV – Sobre investimentos, o que o município tem feito para atrair investidores para dentro de seus limites?

GHC – Além do Programa Municipal de Promoção de Investimentos em Inovação – PMPII, que será iniciado em breve, temos incentivos fiscais para empresas que investem em Guarulhos. Previstos na Lei 7306/2014, esses incentivos somaram R$ 13 milhões entre benefícios no IPTU e ISSQN.

No biênio 2017-2019, esse valor chega a mais de R$ 27 milhões. Valorizamos muito os empresários que investem na cidade. As empresas beneficiadas com os incentivos este ano são responsáveis por 10.361 empregos diretos no município e estão instaladas em 14 bairros distintos de Guarulhos.

Também desburocratizamos a abertura de empresas com o Via Rápida Empresa e oferecemos apoio ao empreendedor local com o Aprende, uma política pública criada para a orientação, capacitação e qualificação de negócios por meio de cursos e atendimento especializado.

FV – Em sua percepção, em uma projeção para os próximos dez anos, como o senhor visualiza a cidade com base nos movimentos atuais para o seu desenvolvimento?

GHC – Esperamos entregar, ao final de nosso mandato, uma cidade muito melhor do que aquela que encontramos. Sabemos que ainda falta muito a ser feito. Mas, diante das medidas já adotadas, sobretudo com a diminuição da dívida em mais de 50%, estamos criando as condições necessárias para que Guarulhos volte a trilhar o caminho do desenvolvimento.

Assim, temos a certeza de que, daqui a 10 anos, Guarulhos estará numa posição de destaque nas mais diferentes áreas, tornando-se uma cidade muito melhor para nossa população viver e com um ambiente propício para receber novos investimentos.

A inovação como base do desenvolvimento de Guarulhos

O secretário de Desenvolvimento Científico, Econômico, Tecnológico e de Inovação do município de Guarulhos, Rodrigo Barros, descreve em detalhes as medidas tomadas para o progresso tecnológico, desburocratização de licenças e suas vivências no exterior aplicadas a sua atuação.

Felix Ventura – Faça uma explanação sucinta sobre a sua trajetória de vida até o convite para assumir o cargo de secretário de Desenvolvimento Científico, Econômico, Tecnológico e de Inovação do município de Guarulhos.

Rodrigo Barros – Eu sempre conto uma história sobre meu avô, um imigrante português que veio para o Brasil e abriu um bar, onde meu pai também trabalhava. Em algum momento, meu pai sinalizou ao meu avô que precisava de mais dinheiro para fazer as coisas dele. O meu avô então disse que não seria possível pois o bar “só dava para uma pessoa” (a renda), que era ele no caso. Meu pai me contou essa história e desde então percebi que eu queria que o meu “bar” desse não somente para uma pessoa, mas para o máximo de pessoas possíveis.

E com esse objetivo comecei minha jornada como empreendedor e consegui de fato concretizar esse objetivo por meio das minhas empresas como o Grupo RBCOM, a Hands On Startup Tour e hoje com a Boali, que emprega cerca de 500 funcionários. Antes disso, fui jogador profissional de futebol, o que também muito contribuiu para minha formação pessoal.

Tive ainda uma passagem transformadora pelo Vale do Silício, um dos ecossistemas mais inovadores do mundo, que me fez perseguir ainda mais um propósito que era transformar sonhadores em realizadores. Em 2016 recebi o convite do Prefeito Guti, que acabava de ser eleito, para ser secretário e confesso que pensei em recusar.

No entanto, a possibilidade de deixar um legado e de trabalhar em prol da melhoria da qualidade de vida do cidadão de Guarulhos, cidade onde cresci, vivi toda minha vida e fiz minha família; era realmente uma grande oportunidade de trabalhar por um propósito maior de vida e aceitei então o desafio.

FV – À frente da secretaria, comente sobre os avanços alcançados nos setores de sua competência no período de seu exercício.

RB – A Secretaria de Desenvolvimento Científico, Econômico, Tecnológico e de Inovação – SDCETI foi criada em Abril de 2017, no início da gestão do Prefeito Guti, incorporando e ampliando o escopo da antiga Secretaria de Desenvolvimento Econômico – SDE.A SDCETI trata das pautas de Relações Econômicas, do Turismo, da Ciência e Tecnologia e Assuntos Aeroportuários, e desde o final de 2018 tem atuado também na coordenação do planejamento estratégico.

Como já são cerca de dois anos e meio de trabalho com muitos avanços, vamos ter que falar apenas dos principais destaques. Um dos primeiros e mais significativos avanços alcançados pela SDCETI foi a implantação do Via Rápida Empresa no Município de Guarulhos, uma demanda histórica do setor produtivo local, compromisso de campanha do prefeito e que mudou o panorama do licenciamento de atividades econômicas de baixo risco no município.

Saímos de uma média de 120 dias para 24 a 48 horas para emissão de licenças para baixo risco.

Diante do compromisso de ajudar na produção de inteligência econômica na cidade, inauguramos o Caderno Econômico de Guarulhos, atualmente em sua 5ª Edição, que traz uma leitura dos principais dados econômicos da cidade.

Um outro avanço significativo foi o cadastramento do sítio aeroportuário para fins de cobrança do IPTU, um ponto no qual Guarulhos foi pioneiro no país, mesmo que ainda exista discussão com a concessionária para a efetivação dos pagamentos.

Na área de inovação, sendo uma área nova no município, conseguimos avanços imensos – a criação do primeiro Centro de Inovação Tecnológica da Cidade, o credenciamento provisório do projeto do Parque Tecnológico de Guarulhos perante o Estado e a regulamentação básica para CT&I através de um decreto que regulamenta os dispositivos da Lei Federal para aplicação no município e a recente aprovação da Lei Municipal de Inovação que complementa essa regulamentação com a criação do Sistema de Inovação de Guarulhos – SIG e institucionaliza iniciativas de fomento que vem sendo realizadas desde o primeiro ano de gestão, como os hackathons e concursos de startups que ocorrem no âmbito do evento Experimenta.

Importante destacar também nossa atuação na presidência do Fórum InovaCidades, iniciativa vinculada à Frente Nacional de Prefeitos – FNP, com parceria do Instituto Arapyaú, que promete ajudar a impulsionar a pauta de inovação dos municípios brasileiros.

Por fim, preciso dar aqui um destaque para iniciativa de planejamento estratégico Guarulhos 2040, iniciada como um núcleo de planejamento ligado à secretaria e que desenvolveu relevante trabalho junto a todas as pastas do município no âmbito do planejamento intersecretarial, resultando na consolidação das 117 ações de governo divulgadas recentemente pelo prefeito Guti.

Temos mais coisas que foram realizadas e mais por realizar, mas com esses destaques acredito que já pudemos contribuir bastante para o avanço da nossa cidade.

FV – Em sua visão, como o Fórum Paulista de Desenvolvimento (FOPA 2019) contribui para dinamizar o progresso do município?

RB – Recentemente o Ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, tem ressaltado muito a importância de combater o pessimismo, comemorar os avanços na pauta econômica e ter uma atitude positiva e propositiva de enfrentamento dos principais problemas que inibem o crescimento do país.

Concordamos com a necessidade de mudar a energia que circunda o debate público, e a proposta do Fórum Paulista de Desenvolvimento – “A retomada do crescimento – 10 anos de progresso, inclusão social e economia” – contribui como uma força em prol dessa mudança ao reunir alguns dos principais atores no Estado de São Paulo para debater pautas estratégicas para o desenvolvimento do Estado e das cidades paulistas.

A realização da primeira edição de um evento como esse em Guarulhos é símbolo da transformação pela qual o município tem passado durante a gestão do prefeito Guti, que após um grande esforço no início da gestão reduziu mais de 50% da dívida pública e reafirmou o compromisso com a criação de um ambiente de negócios propício ao investimento.

O governo do Estado de São Paulo foi e segue sendo um parceiro estratégico para o desenvolvimento dos municípios paulistas, e esta iniciativa também permitirá uma maior difusão da pauta comum de desenvolvimento que irá convergir esforços das esferas de governo em prol dos nossos cidadãos.

FV – De suas vivências no exterior, o que foi possível aplicar, em nível pragmático, nas ações promovidas pela municipalidade?

RB – A experiência convivendo com os ecossistemas de inovação do Vale do Silício e da Europa realizando o HandsOn Startup Tour foi muito importante para formatar os hackathons e concursos de startup que fazemos aqui em Guarulhos – foi uma aplicação bem direta, mas que precisou ser adaptada às peculiaridades locais.

Enquanto secretário em Guarulhos tive a oportunidade de realizar missões ao exterior numa nova condição, enquanto representante da cidade, e o tipo de vivência e olhar acaba sendo bem diferente. Pude participar de eventos missões para conhecer empresas, conhecer iniciativas de outras cidades e como o tema de inovação e cidades inteligentes está sendo trabalhado.

Essas missões ajudaram a ter uma visão crítica da nossa realidade local e do ponto de vista prático afetou muito nossa visão sobre a importância do planejamento de médio e longo prazo e da parceria com o setor privado para viabilizar iniciativas importantes. A estruturação do Guarulhos 2040 deve muito a essas vivências.

FV – Qual é a sua maior aspiração enquanto secretário em relação à conclusão de projetos que possam potencializar o desenvolvimento da cidade?

RB – Minha maior aspiração é que a conclusão desses projetos que potencializam o desenvolvimento da cidade possa promover o reforço da identidade de Guarulhos e o fortalecimento da autoestima dos nossos cidadãos. Guarulhos tem tudo para se tornar um dos principais polos de desenvolvimento na Região Metropolitana de São Paulo.

A cidade abriga o maior aeroporto da América do Sul, o que permite a promoção de sinergia para desenvolvimento econômico dentro do conceito de aerotrópole, vertente que estamos estudando.

Tem uma posição logística privilegiada que, com o fortalecimento da pauta de infraestrutura urbana com captação de recursos privados através de iniciativas de desestatização, como nossa PPP de Iluminação, e medidas de promoção de competitividade da produção local e melhoria do ambiente de negócios através do Programa Investe GRU, deverá impulsionar a retomada do crescimento econômico.

Fator importante para o crescimento econômico e o fortalecimento da autoestima dos nossos cidadãos é a promoção da livre iniciativa na nossa cidade através de orientação, formalização e capacitação dos novos empreendedores – pauta que deve avançar com o amadurecimento do nosso Programa Aprende.

You may also like

Deixe um Comentário