Menu
No mundo

SUMMIT 2022 mostra que Brasil precisa reativar Plano Nacional de Turismo

Publicidade

O Global Council Sustainability and Marketing (GCSM) em parceria com o São Paulo Convention & Visitors Bureau e a Secretaria de Turismo e Viagens do Estado de São Paulo realizaram na manhã desta segunda-feira (21), na sede do GCSM, em São Paulo, mais uma edição do Conversando Com Quem Faz a Diferença (CCQFD) – Summit 2022 “Brasil no Mundo e São Paulo como um dos Principais Centros de Negócios do Hemisfério”.

O evento teve a presença do secretário de Turismo e Viagens do Estado de São Paulo, Vinicius Lummertz, Raul Sulzbacher, presidente do Conselho do São Paulo Convention & Visitors, Fernando Guinato, gerente geral do Sheraton WTC-SP, Guilherme Paulus, empresário do setor de turismo e fundador da CVC e da GJP Hoteis e Resorts, Agostinho Turbian, presidente do GCSM, e da editora-chefe da revista Economy&Law, Bruna Lencioni – esses dois últimos moderaram o Summit.

Durante as explanações, ficou evidente que o país deixou de lado o Plano Nacional de Turismo, responsável por executar projetos de melhorias do turismo no Brasil – lembrando que o setor faturou R$152 bilhões no ano passado, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Para Lummertz é preciso olhar ao turismo com o mesmo entusiasmo que o agro, com integração entre estados, cidades e o governo federal. “É amoral não observar o potencial do turismo como fator decisivo de desenvolvimento econômico e social. É preciso que o mundo consiga acessar o Brasil, com mais voos, com licenças mais rápidas para investidores. Não é possível que se demore tantos anos para que se possa investir”, afirmou. Lummertz disse ainda que é necessário que haja não só a desburocratização em prol do turismo, como também maior segurança jurídica para oferecer garantias aos investidores.

Ele ainda fez um balanço de sua gestão como secretário de Turismo e Viagens do Estado de São Paulo destacando pontos importantes de sua gestão. “Conseguimos também trazer mais segurança jurídica ao ambiente de negócios criando e implementando a Lei dos Distritos Turísticos em Serra Azul, Olímpia e Andradina. Criamos rotas gastronômicas por todo o Estado, estruturas náuticas que estão no início de impulso de um setor com grande potencial, realizamos acordo para reduzir impostos dos combustíveis de aviação que trouxe 700 novos voos semanais para São Paulo – e foram privatizados 22 aeroportos no interior do estado. Nesse caso, da redução de ICMS dos combustíveis, substituímos a irracionalidade tributária pela racionalidade econômica.

Isso sem falar nos recursos disponíveis para as 70 estâncias e 140 municípios turísticos. Elevamos o patamar de recursos da casa dos R$ 200 milhões para R$ 550 milhões repassados em 2021 e 2022 – um esforço inédito. Temos também o resultado da cooperação técnica com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), o programa Mais Turismo SP, em que buscamos priorizar infraestrutura em regiões importantes, o ecoturismo nos parques, programas de crédito e as marcas regionais, os “place branding”.

Confira a galeria de fotos do evento:

Continua depois da publicidade