Com recorde de público, exposição ‘Tarsila popular’ ultrapassa 402 mil visitantes

por The Winners
0 comentário

A mais ampla mostra já feita da obra da modernista Tarsila do Amaral reuniu 92 obras e teve curadoria de Adriano Pedrosa e Fernando Oliva Tarsila popular, a mais ampla exposição já feita da artista Tarsila do Amaral que foi encerrada no fim do mês de julho, já é considerada como a mostra mais visitada da história do MASP.

Com 402.850 visitantes, superou outro fenômeno de público do museu, Monet, realizada entre maio e agosto de 1997. A exposição do impressionista, que mobilizou São Paulo à época, teve 401.201 espectadores.

“O recorde de visitação da exposição Tarsila popular no MASP reflete a consolidação da artista não apenas na história da arte, mas no imaginário do grande público. Ele aponta também para um interesse crescente pela arte e pelo museu, algo que que também pode ser atestado na venda do catálogo da exposição, um denso volume de 360 páginas que até agora já superou a marca de 7 mil exemplares”, diz Adriano Pedrosa, diretor artístico do museu, e curador da exposição ao lado de Fernando Oliva.

“Essa grande visitação reafirma o desejo do público por olhares renovados em relação aos artistas canônicos da história da arte brasileira, o interesse em abordagens novas e inéditas, caso desta mostra, que trouxe para o centro do debate não só o popular, mas as questões sociais, raciais e de classe na obra de Tarsila, aspectos que costumam ser negligenciados”, afirma Fernando Oliva.

Aberta ao público em 5 de abril, juntamente com Lina Bo Bardi: Habitat, a mostra Tarsila popular foi um sucesso de público desde o primeiro momento. No vernissage para convidados, na noite de 4 de abril, 1.800 pessoas formaram fila no vão livre para ver em primeira mão as 92 obras da exposição, entre pinturas e desenhos da modernista.

O catálogo da exposição, de mesmo nome, teve milhares de exemplares vendidos.

O livro é o mais amplo catálogo de mostra sobre Tarsila do Amaral, reunindo 113 de suas obras, bem como
fotografias e documentos, em 360 páginas.

Histórias das mulheres 

Tarsila popular faz parte de um ano dedicado às histórias das mulheres, histórias feministas, eixo curatorial que pauta toda a programação do museu, de exposições e cursos a palestras e oficinas.

Além de Tarsila e Lina, já passaram pelas galerias do museu Djanira da Motta e Silva e as tecelãs anônimas do Comodato MASP Landmann, mostra iniciada em junho e encerrada com Tarsila popular e Lina Bo Bardi: Habitat.

Ainda no segundo semestre, o MASP terá exposições da portuguesa Leonor Antunes, da alemã radicada na Venezuela Gego e da brasileira Anna Bella Geiger.

You may also like

Deixe um Comentário