Bradley Cooper: arte e empreendedorismo

por The Winners
0 comentário

O tipo do homem que está sempre inquieto. Em uma resenha escrita no site do saudoso crítico do jornal Chicago Sun  Times , Roger Ebert, Brian Tallerico, atual editor da página, refere-se ao ator norte-americano Bradley Cooper e a sua mais recente empreitada cinematográfica, A Star Is Born (Nasce uma Estrela – EUA, 2018), filme que marca sua estreia como diretor, destacando a sua realização como “um dos melhores trabalhos de sua carreira”, com um excelente desempenho de suas habilidades de canto, além da química com Lady Gaga, também estreante no universo do cinema.

Em um dos momentos de maior comoção do longa-metragem, o personagem de Cooper (o cantor Jackson Maine) aconselha Ally, que vive uma estrela em ascensão (interpretada por Gaga): “Se não vier do fundo de sua alma, não vai durar muito tempo. Se você não disser a verdade, está ferrada”. 

A afirmação guarda um valioso ensinamento sobre a necessidade de empreender com propósito, de explorar o melhor de si mesmo em todas as situações. Em paralelo, na vida real, Cooper deu um conselho a si mesmo: na obra, ele atuou, assumiu a direção, o roteiro e a produção.

Contudo, dirigir um filme já era um desejo antigo, embora temesse não ser bem-sucedido em seu projeto e declarar que se isso ocorresse, encerraria sua carreira como cineasta. Graças a sua obstinação, o filme foi aclamado pela crítica cinematográfica, colecionando indicações e prêmios ao redor do mundo, entre eles, oito indicações ao Oscar 2019 das quais venceu em uma das categorias: melhor canção original (por Shallow).

Porém, Cooper enfrentou resistências diversas para atingir seu objetivo. Muitos se opuseram a colaborar em razão desta ser a terceira refilmagem de um drama musical de 1937, originalmente estrelado pelos atores Janet Gaynor e Fredric March.

A segunda versão da película (de 1954) foi estrelada por Judy Garland e James Mason. O prêmio por melhor canção original é fruto da parceria de Cooper e Gaga que produziram grande parte da trilha sonora do filme.

O lançamento do álbum de 34 faixas que incluía dezenove músicas originais coincidiu com a estreia do filme e agradou em cheio a casta dos críticos. Para o jornal The Guardian , Bean Beaumont-Thomas cravou oitenta pontos numa escala que vai até cem para a trilha de A Star Is Born . “Cooper mostra que pode cantar tanto quanto pode atuar e dirigir, mas as proezas pop de Gaga elevam cada canção do álbum. […] Cooper esboça seu rockstar em linhas admiráveis: embriagado e criteriosamente blues”, observou.

O êxito comercial do álbum alcançou o número um nos Estados Unidos, Irlanda e Reino Unido, à medida em que Shallow, principal single do álbum lançado em setembro do ano passado, chegou ao topo das paradas na Austrália, Estados Unidos, Irlanda, Reino Unido e Suíça.

Aos negócios

No mundo empresarial, o multipremiado ator tem despertado o interesse de marcas de luxo para parcerias, entre elas, da prestigiosa relojoaria suíça IWC Schaffhausen.

A mais recente campanha promovida pela companhia e clicada pelo fotógrafo Marco Grob, traz Cooper em ação sobre duas rodas tendo como cenário um avião vintage onde o ator usa um dos modelos de relógios mais icônicos da marca, o Big Pilot Edition “Le Petit Prince” , que compõe a coleção em homenagem ao escritor, poeta e piloto de aviação Antoine de Saint-Exupéry.

Para além dos negócios, Cooper já se declarou fã da marca há anos e disse ter uma relação antiga e emocional com a linha de itens fabricados pela empresa.

Quatro vezes indicado ao Oscar, o ator é também o mais novo embaixador da marca fundada há 150 anos. O anúncio foi feito no Salão Internacional de Alta Relojoaria 2018, em Genebra, na Suíça.

Outras estrelas de primeira grandeza já fizeram parte do time de embaixadores da companhia como Cate Blanchett, Dave Patel, James Marsden e Lewis Hamilton.

Carreira

Desde a primeira aparição na TV em Sex and the City (1999), onde contracenou com Sarah Jessica Parker, Cooper imprimiu uma trajetória bastante movimentada ao longo de seus 20 anos de carreira.

Fez diversas séries para televisão, apresentou programas sobre viagens, estreou no cinema em 2001 com o filme Wet Hot American Summer (Mais Um Verão Americano), mas foi em 2005, após a atuação no filme Wedding Crashers (Penetras Bons de Bico), uma comédia romântica que colheu avaliações positivas pela crítica especializada e, finalmente teve seu primeiro papel de destaque em Hollywood. Em 2009, mais um trabalho cinematográfico obteve muitos elogios e reconhecimento.

The Hangover (Se Beber, Não Case!) arrecadou, somente nas bilheterias americanas, a soma de US$ 44 milhões enquanto que ao redor do mundo, esse número chegou à US$ 467 milhões, consagrando o seu estrelato e a aprovação da crítica por sua desenvoltura em atuações cômicas.

Um dos críticos do jornal The New York Times , A. O. Scott, comentou: “O Sr. Cooper oferece a variação mais interessante de um padrão antigo, interpretando um agressivo e arrogante garoto de fraternidade [um jovem que se comporta de maneira turbulenta ou tola, considerado típico dos membros de algumas fraternidades universitárias] com um grunhido de raiva que mascara uma ansiedade tão difícil de explicar”.

Desde então, muitos outros títulos juntaram-se a sua galeria de sucessos, entre eles: Valentine’s Day (2010); Silver Linings Playbook (2012), pelo qual recebeu sua primeira indicação ao Oscar; American Hustle (2013); Guardians of the Galaxy (2014); American Sniper (2014); e Avengers: Infinity War (2018).

O artista tem apoiado organizações que trabalham no combate ao câncer de pulmão, desde a morte de seu pai em 2011 e juntou-se a algumas instituições que tem por fim, o atendimento às pessoas que enfrentam a enfermidade.

Entre 2013 e 2015, Cooper foi um dos atores mais bem pagos do mundo, recebendo no período 28, 46 e 41,5 milhões de dólares, respectivamente.

Em 2013, foi o primeiro colocado no Celebrity 100: Ones To Watch , da conceituada revista Forbes . Em 2015, foi nomeado pela Time como uma das pessoas mais influentes do mundo.

You may also like

Deixe um Comentário