A hora e a vez do Single Malt Scotch Whisky

por The Winners
0 comentário

Consumidores de whisky estão sofisticando o seu paladar e procurado conhecer melhor a categoria. Ao invés de simplesmente adquirir marcas, eles querem conhecer técnicas de produção e seus sabores originais, criando uma oportunidade para que os consumidores de Blended Whisky, Bourbon, brandies e vinhos fortificados passem a conhecer toda a diversidade que o mundo dos Single Malts tem a oferecer. A autenticidade e originalidade do Single Malt Dalmore é perfeito para quem quer conhecer esse mundo. Esse precioso destilado é maturado em barris excepcionais provenientes das melhores vinícolas exclusivas do mundo.

Localizada nas Highlands do norte da Escócia, cerca de 48 km da cidade de Inverness, a destilaria produz um single malte com perfil vínico, rico, complexo e com multicamadas de sabor, um verdadeiro estilo das Highlands. Fundada em 1839, a destilaria foi adquirida pelo clã Mackenzie em 1891 por £ 14.500 – uma soma considerável de dinheiro na época. A lenda diz que em 1263, Colin of Kintail, líder do clã Mackenzie, salvou o Rei Alexandre III de ser morto por um cervo em fúria durante uma caçada. Em agradecimento, o Rei concedeu ao clã Mackenzie o direito de utilizar o brasão real (cabeça de cervo com chifre de doze pontas, com a inscrição “Ajuda ao Rei”, em gaélico “cuidich’n righ”), que mais tarde passou a ser o símbolo da destilaria. Em homenagem a esse acontecimento, em 2008 Richard Paterson, também conhecido como “The Nose”(seu nariz é segurado pelo Lloyds Bank em mais de um milhão de libras), pioneiro na curadoria de barris, criou um
single malt muito especial, o King Alexander III.

Esse Malt é um verdadeiro néctar que envelhece em 6 tipos diferentes de barris previamente usado para maturar Bourbon whiskey, vinho Jerez Oloroso Matusalem, vinho do Porto, vinho Madeira, vinho Marsala e vinho Cabernet Sauvignon francês. Outra criação de Paterson, foi o Dalmore Cigar Malt, perfeito para harmonizar com charuto. E apesar de não ser comum como acompanhamento durante as refeições, mas como aperitivo (geralmente com castanhas e frutas secas), podemos sim, desafiar nosso paladar e tentar essa façanha, por exemplo, com a culinária japonesa ou pratos com sabor mais intensos, picante e ou com molhos agridoce.

Texto de: Fernando Gurgel, Sommelier especialista em whisky, professor da Associação Brasileira de Sommeliers (ABS-SP) e consultor de bebidas da Casa Flora Importadora

You may also like

Deixe um Comentário